Top
Nem todo corpo precisa ser hetero, homo ou gostoso – Giba
fade
199
post-template-default,single,single-post,postid-199,single-format-standard,eltd-core-1.1.1,flow-ver-1.3.6,,eltd-smooth-page-transitions,ajax,eltd-blog-installed,page-template-blog-standard,eltd-header-vertical,eltd-sticky-header-on-scroll-up,eltd-default-mobile-header,eltd-sticky-up-mobile-header,eltd-menu-item-first-level-bg-color,eltd-dropdown-default,wpb-js-composer js-comp-ver-5.0.1,vc_responsive

Nem todo corpo precisa ser hetero, homo ou gostoso

Nem todo corpo precisa ser hetero, homo ou gostoso

A melhor idade, filme de Adriano Big, é um curta que de uma única vez discute muitas questões referente às sexualidades. Após participar de festivais e eventos, depois de alguns anos, enfim o curta foi liberado e pode ser assistido:

Lembro-me da primeira vez em que assisti ao filme e tive uma boa surpresa por o curta retratar, em minutos, o que temos discutido em tantos textos. Gosto de mostrar esse filme às pessoas e analisar as suas reações. Por vezes, alguns alunxs gritaram diante do filme, espantadxs.

A melhor idade questiona o que é heterossexualidade, homossexualidade ou bissexualidade. Palavras que por vezes esquecemos que são tentativas de enquadramentos e posicionamentos e as encaramos como verdades sobre os sujeitos. O curta vai além e questiona a ideia de subversão como algo de modismo ou de adolescência. Por vezes, parece que, ao tratarmos de subversão, estamos falando de novas existências ou sujeitos que não querem se enquadrar.

Associa-se subversão e desobediência às normas como um novo paradigma da contemporaneidade, desse tempo “tudo líquido” que parece significar a existência humana na atualidade. A melhor idade subverte não porque nos apresenta novas configurações, novos movimentos ou subjetividades ditas pós-modernas, mas porque expõe a potência do corpo e do desejo.

O filme também nos leva a pensar a (des)construção do corpo – corpo desejável, jovem, forte, viril. Remete para a existência de outros corpos e outros desejos, que não se enquadram na lógica tão vigente na contemporaneidade – em que o corpo é um estilo de vida, como diz Giddens. Expõe assim que o desejo não é uma força natural, inata e imutável, mas que também opera, ora na lógica binária, normativa e midiática, ora em fugas, descorporificações e desterritorializações. É isso o que mais importa no filme, a sua capacidade de evidenciar outras existências e é nesse sentido que nem todo corpo precisa ser (nem é) heterossexual, homossexual ou gostoso.

Para conhecer o novo filme de Adriano Big, clique aqui.

Parabenizar a participação maravilhosa de: Viviane V, Sandra Muñoz e Bento, no filme Além dos seios.

Por Gilmario Nogueira

Leo Ribeiro

leoorcruz@hotmail.com

No Comments

Post a Comment